Skip to content →

Engenharia Física… Check!

imagem aleatória dos nossos switchers

(…)uma análise comparativa do hardware disponibilizado por várias marcas colocou a Apple entre as primeiras opções.

  • fotografia do entrevistado
  • Nick: ScriptKid
  • Outros contactos:
  • Modelo principal:
  • Macbook Pro Core 2 Duo

  • Outros modelos usados
  • Dependo do Linux para trabalhar, e ocasionalmente windows via bootcamp

  • Software mencionado:
  • VoodooPad, iTerm, VirtueDesktops, SSHKeyChain, LyX, OpenOffice

Iswitch(i):Há quanto tempo pensava em adquirir um mac?

ScriptKid(SK):Não planeara comprar um Mac. Contudo, desde há cerca de um ano e meio começara a notar a popularidade crescente dos portáteis da Apple. Uma vez que o meu trabalho é inserido numa colaboração internacional, desloco-me com alguma frequência para fora do país. O facto de uma significativa parte dos meus colegas que trabalham no estrangeiro se ter tornado Mac user suscitou-me a curiosidade ao ponto de considerar a hipótese de comprar um Apple quando necessitasse de substituir o portátil.

i:O que fez decidir-se?

SK:A decisão de substituir o portátil antigo coincidiu com o anúncio da comercialização da plataforma Intel Santa Rosa. Nesse momento, uma análise comparativa do hardware disponibilizado por várias marcas colocou a Apple entre as primeiras opções. Em primeiro lugar, por conseguinte, pesaram as questões de hardware e mobilidade ( ver resposta seguinte). Adicionalmente, em comparação com outros produtos concorrentes com Windows pré-instalado, os Apple corriam Mac OS X. Sabia que o Mac OS era baseado num kernel *unix, o que era vantajoso em termos de segurança e manutenção do sistema operativo.

i:Qual o modelo? Porquê?

SK:Adquiri o MacBook Pro 15’’. Pretendia um portátil com uma resolução mínima do monitor de 1440×900. Entre os produtos comercializados o MacBook Pro tinha uma melhor relação autonomia/mobilidade/performance. Nomeadamente era o mais leve e com maior duração de bateria. O design era também bastante atraente, embora esse não tivesse sido o factor preponderante na minha escolha.

i:É utilizador de mac a tempo inteiro?

SK:Não. No trabalho utilizo Linux. Ocasionalmente em casa ainda utilizo Windows, através do Bootcamp.

i:O que o faz manter as ligações ao windows?

SK:Ainda possuo alguns periféricos que não são compatíveis “out of the box” com o Mac OS. Em menor grau, algum software Multimédia que ainda não foi “portado” para Mac OS.

i:Que aplicações usa normalmente?

SK:VoodooPad, iTerm, VirtueDesktops, SSHKeyChain, LyX, OpenOffice.

i:Qual foi a sua primeira dificuldade?

SK:Regularmente uso VNC para trabalhar remotamente em workstations Linux. Como o layout e o keymap do teclado do Mac são significativamente diferentes dos PC’s , é óbvio que necessitei de alguns dias até encontrar a configuração adequada. O DoubleCommand tem sido uma aplicação muito útil.

i:Alguma vez pensou que tinha feito asneira da grossa? em que situação?

SK:Sim, quando deixei cair a bateria do MacBook Pro do tampo de uma mesa e os cantos de alumínio desta ficaram amolgados. A autonomia não foi afectada, mas o portátil ficou com um design personalizado.

i:E o próximo computador? será mac?

SK:Dependerá essencialmente do trabalho que estiver a desenvolver na altura, nomeadamente se necessitar de usar aplicações não compatíveis com Mac OS. Contudo, tudo indica que vou continuar nesta actividade e nesse caso continuarei a consumir Mac, especialmente no segmento dos portáteis.

i:Diga uma coisa positiva sobre o sistema…

SK:A trackpad dos notebook em conjugação com o multi-touching torna o rato um acessório dispensável, excepto para edição de imagem. O Exposé pode aumentar bastante a produtividade em multi-tasking. E ainda não explorei as potencialidade do AppleScript, que me parece bastante intuitivo,

particularmente na interacções com GUI’s. (Oops, foram três…)

i:… e negativa?

SK:Ainda não estou convencido das vantagems comparativas do layout/keymap do teclado do Macbook. O “Home” e o “End” estão lá, mas por defeito não têm a mesma funcionalidade que nos PC’s. Sendo o teclado um input básico do utilizador, seria vantajoso haver uma norma standard.

i:Aconselha os seus familiares e amigos mais chegados a mudar?

SK:Depende da pessoa. Se utilizar apenas aplicações Office talvez aconselhasse a continuar com Windows. A amigos interessados em usufruir de um OS com kernel *unix e uma GUI funcional aconselharia concerteza.

i:E o futuro, o que vai trazer?

SK:Aguardo pela chegada do Spaces. Já há muito tempo que os sistemas Linux integram ferramentas de multiple virtual desktops. Por enquanto utilizo o VirtueDesktops que apresenta algumas deficiências.

Published in Entrevistas

Comments

Leave a Reply