Tenho dias, estão a ver…

… e depois dá-me para isto…

 

 

Sentidos de  um querer…

 
Não me olhes assim.
Não tens culpa d´eu me perder,
Nem eu vontade de me encontrar…
…frente-a-frente ao teu olhar.
Esse olhar que me desarma,
que me agride e atormenta,
que me sustém e me alimenta,
que de longe me faz sofrer
por não te ter perto de mim.
 
Não me toques com tua mão
Que tanto quero sentir,
Nem teu cabelo descanses
em meu peito ofegante,
logo após sermos amantes
Momentos antes de ir.
Nem mesmo teus lábios quero
Nesse teu beijo de adeus
Que só eu consigo dar
Nesta estranha espécie de amar,
pois doi-me ver-te a partir.
 
E afasta de mim esse cheiro
Que libertas na escuridão
quando sinto o teu calor
Sozinho nesta paixão.
Leva contigo o aroma
com que sonho neste momento,
nestes lençois, nesta redoma
Onde sozinho suporto o tormento
De te amar, mesmo sem conhecer
Os sentidos deste querer.
 
Não me grites, não acuses
Não ataques, não me julgues!
Não apontes os erros vividos
Sob a desculpa da solidão.
Antes ajuda, aconselha,
Nesse silêncio que me acolhe,
que à distância me orienta,
Nas conversas que não teremos
Nas palavras que não ouço
enquanto espero um teu perdão.
 
quero por fim saborear
o salgado desespero
a amarga solidão
e a doce sensação
de não estando tu ao meu lado,
eu viver esta emoção.
O quente da vontade,
desta vontade de te ver
apenas ao longe, fria e distante
que me aguça ou me entorpece
Os sentidos deste querer.

jpcarvalhinho Written by:

Be First to Comment

Deixe uma resposta